quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Pensar antes de decidir

O pensamento estruturado, metódico, deve preceder a decisão e a acção. Já por várias vezes foi aqui referida a necessidade de estudo dos problemas antes de ser tomada uma decisão. Por exemplo, o post de 6 de Janeiro do corrente ano, Não existe mentalidade de planeamento nos serviços públicos abordava este problema e, posteriormente, num comentário, ficou exposta uma metodologia que, adaptada a cada situação, pode dar uma forte ajuda e que é a seguinte:

Em termos resumidos, as normas de preparação da decisão e deplaneamento devem passar por

1) definir com clareza e de forma que ninguém tenha dúvidas, o objectivo ou resultado pretendido.

2) Em seguida, descrever com rigor o ponto de partida, isto é, a situação vigente, com análise de todos os factores que possam influenciar o problema que se pretende resolver.

3) Depois, esboçar todas as possíveis formas ou soluções de resolver o problema para atingir o resultado, a finalidade, o objectivo ou alvo; nestas modalidades não deve se preterida nenhuma, por menos adequada que pareça.

4) A seguir, pega-se nas modalidades, uma por uma e fazem-se reagir com os factores referidos em 2) e verificam-se as vantagens e inconvenientes; é um trabalho de previsão de como as coisas iriam passar-se se essa fosse a modalidade escolhida.

5) Depois desta análise das modalidades, uma por uma, faz-se a comparação entre elas, das suas vantagens e inconvenientes, com vista a tornar possível a escolha.

6) O responsável pela equipa, o chefe do serviço, da instituição, o ministro, o primeiro-ministro, conforme o nível em que tudo isto se passa, toma a sua decisão, isto é, escolhe a modalidade a pôr em execução, tendo em conta aquilo que ficou exposto na alínea anterior.

7)Depois de tomada a decisão, há que organizar os recursos necessários à acção, elaborar o planeamento e programar as tarefas.

8)Após iniciada a acção é indispensável o controlo eficaz do qual pode resultar a necessidade de ajustamentos, para cuja decisão deve ser utilizada a metodologia aqui definida, por forma a não se perder a directriz que conduz à finalidade inicialmente pretendida.

As várias insistências neste tema, são agora «premiadas» pela notícia do Jornal de Notícias Daniel Bessa: Governo deve "parar para pensar" de que se extraem algumas ideias:

O Governo deve dirigir o grosso dos investimentos para as exportações, em prejuízo das grandes obras públicas que vêm sendo anunciadas.

O país importa muito mais do que exporta e a diferença equivale a 10% do Produto Interno Bruto (PIB), o que o obriga a sobre-endividar-se no estrangeiro, para pagar aquela factura. Há 17 mil milhões de euros, por ano, que "saem mesmo da Banca portuguesa" e vão direitos aos bancos estrangeiros.

No actual contexto de recessão internacional, que parece resolvido o défice de confiança dos cidadãos nos bancos, mas não o da confiança entre bancos, sobretudo, de países diferentes. "Os [movimentos] interbancários continuam em muito mau estado".

A garantia de 20 mil milhões que o Governo deu à banca nacional foi uma boa medida, para esta conseguir dinheiro emprestado no estrangeiro, mas frisou que ela não dura para sempre e, em breve, "teremos de ouvir mais notícias do Estado português"...

Considerou ser "tempo de olhar para as debilidades estruturais", e defendeu que a economia portuguesa só ultrapassará a crise, se conseguir diminuir o défice das transacções correntes. "Precisamos, como de pão para a boca, de pôr dinheiro em coisas que exportem".

"O nó górdio desta crise continua no sistema financeiro". O antigo ministro começara justamente por observar que a actual crise "é diferente das outras", porque "deixou a própria banca em condições de não se poder financiar", para concluir que, "se o dinheiro não circular no sistema financeiro, a crise não se resolve".

NOTA: Estamos numa situação difícil que não se compadece com pequenos remendos, nem paliativos. É preciso um estudo imparcial, isento, competente, sem preconceitos partidários, com dedicação aos verdadeiros interesses nacionais, com vista a encontrar a solução estrutural que vá ao encontro de um Portugal que seja melhor amanhã e que possa continuar a desenvolver-se no futuro.

4 comentários:

Magno disse...

Parece que planear é algo que é um tabu em Portugal.
Investir para combater as importações quase que parece utópico e surreal pois existem paises que produzem produtos a preços mais competitivos que os nossos.
No entanto cabia ao nosso sistema criar formas de proteger e incentivar o investimento nacional em áreas onde possuimos graves lacunas, como o sector energético.
A solução implementada pelo Estado de proteger a banca em nome do acesso ao crédito pode trazer a curto prazo, problemas na despesa do estado e a velha questão do défice, apertar o cinto etc.
Se soubessemos ser justos, idoneos e resposáveis a governar se calhar a nossa parca economia estaria melhor servida.
Abraço,
Magno.

A. João Soares disse...

Caro Magno,
Se não é fácil exportar, pelo menos podíamos produzir para substituir importações.
Mas, estamos num mundo de trocas, temos de descobrir algo que possamos oferecer aos estrangeiros para cobrir as despesas de importação. Por exemplo, quando se diz que a nossa vocação é o turismo, devemos levar isso até às últimas consequências, a sério, sem amadorismos. Nada impede também de sermos produtores de material informático, principalmente software.
Haja quem pense nisso a sério, em vez de andar a brincar no jogo do poder pelo poder.
Abraço
João

Fernando Vouga disse...

Caro João Soares

O que nos diz tem uma grande percentagem de ingenuidade. Porque o que está em causa para os Governos não é a coisa pública, mas a consolidação do poder.
Tudo começa assim:
1 - De quantos votos precisamos para continuarmos com maioria absoluta?
2 - Etc.
...

A. João Soares disse...

Caro Vouga,
No meu papel de cidadão vulgar, amante da simplicidade e daquilo que é natural e espontâneo, sou naturalmente ingénuo. Não tenho a mínima esperança, infelizmente, de ver os resultados das minhas boas intenções pois sei que, se os houver, aparecerão daqui a muitos anos.
Mas continuarei a defender as minhas convicções, copm persistência até me convencer que existe uma «modalidade de acção» mais adequada.
Um abraço
João